Edit

Ajude-nos a Evangelizar

A missão é de todos e todas. Ela somente pode continuar por causa da ajuda de pessoas como você, que acreditam e contribuem com esta obra!

Aceite você também o convite do papa Francisco e seja parte desta igreja em saída… Seja você também uma missionária, ou um missionário, difundindo nossos artigos (já a seguir ) entre seus amigos, familiares e vizinhos em sua comunidade. Note que não estamos vendendo, apenas pedimos contribuições dando assim a você e a outras pessoas a possibilidade de participar na obra da evangelização no Brasil e além fronteiras.

Contate-nos através de nosso email, Whatsapp ou telefone (rodapé da página)

Desde já agradecemos sua ajuda. Como sinal de gratidão, lhe enviaremos regularmente o boletim Sem Fronteiras, por email ou em sua casa, se preferir!

Adquira nossos Produtos

Seja um(a) Amig(a)

Reze Conosco

Doações via PIX

Faça sua doação através de transferência para uma de nossas contas:

Após fazer sua doação, por favor, nos envie o ‘comprovante’. Obrigado!

Edit

Ajude-nos a Evangelizar

A missão é de todos e todas. Ela somente pode continuar por causa da ajuda de pessoas como você, que acreditam e contribuem com esta obra!

Aceite você também o convite do papa Francisco e seja parte desta igreja em saída… Seja você também uma missionária, ou um missionário, difundindo nossos artigos (já a seguir ) entre seus amigos, familiares e vizinhos em sua comunidade. Note que não estamos vendendo, apenas pedimos contribuições dando assim a você e a outras pessoas a possibilidade de participar na obra da evangelização no Brasil e além fronteiras.

Contate-nos através de nosso email, Whatsapp ou telefone (rodapé da página)

Desde já agradecemos sua ajuda. Como sinal de gratidão, lhe enviaremos regularmente o boletim Sem Fronteiras, por email ou em sua casa, se preferir!

Adquira nossos Produtos

Seja um(a) Amig(a)

Reze Conosco

Doações via PIX

Faça sua doação através de transferência para uma de nossas contas:

Após fazer sua doação, por favor, nos envie o ‘comprovante’. Obrigado!

Os combonianos e os Povos Indígenas da Amazônia

“A Igreja está na Amazônia não como aqueles que têm as malas na mão para partir depois de terem explorado tudo o que puderam”. “Os desafios conclamam a Igreja na Amazônia a ser missionária, misericordiosa e profética. É preciso apresentar um rosto amazônico da Igreja. A Igreja só poderá encontrar um rosto amazônico à medida que se envolver realmente”. (Papa Francisco e Card. Cláudio Hummes)

A Amazônia (amazonas incluído) ainda conserva uma das maiores reservas de diversidade cultural e biológica do mundo. “A importância destes lugares para o conjunto do planeta e para o futuro da humanidade não se pode ignorar” (LS 38).

Povos indígenas (impropriamente designados como índios, ou tribos) ocuparam ancestralmente o espaço amazônico a partir de práticas produtivas que lhes permitiram desenvolver suas civilizações e obter recursos necessários à sua subsistência sem fraturar a capacidade do entorno natural, ao ponto que hoje em dia importantes reservas de recursos naturais estratégicos, como agua doce, mineral de ferro, biodiversidade e outros, encontram-se concentrados na Amazônia nos territórios indígenas.

As políticas de colonização, ocupação territorial e extração de recursos provocaram despejos, aniquilamento ou escravidão das populações ancestrais. Os modernos projetos extrativos (minas) e as infraestruturas de produção de energia ocupam espaços imensos, contaminam o entorno natural e provocam perdas irreparáveis na cultura e paz social dos povos afetados, especialmente indígenas, ribeirinhos e quilombolas.

A colonização da Amazônia acontece ao reboque desses mega-projetos, provocando uma urbanização descontrolada, a perda da identidade cultural e do vínculo entre populações e meio ambiente, bem como o aumento da violência, da criminalização e da perseguição dos líderes comunitários e defensores de direitos humanos.

Nesse cenário, a Igreja vem trabalhando há tempo junto às comunidades locais, acompanhando-as, promovendo suas ações de defesa e suas lutas de reivindicação de direitos e vida. Os combonianos se inserem nesse trabalho pastoral amazônico, a partir de uma história bonita, mesmo se escondida e às vezes frágil, de formação das CEBs em áreas rurais e urbanas, organização popular, apoio à reforma agrária e aos movimentos sociais, acompanhamento dos povos indígenas, seus líderes e suas organizações. Pe. Ezequiel Ramin é símbolo dessa entrega, que continua ainda hoje através de diversos confrades.

O comboniano comprometido com a evangelização no mundo amazônico continua sendo persistente no trabalho pastoral, humilde e próximo às pessoas simples, acostumado à escuta e aprendizagem, valorizando as diferenças e o diálogo inter-religioso, disposto ao estudo e aprofundamento, comprometido na defesa dos direitos socioambientais, sem medo do conflito e articulado em rede.

Hoje, nosso empenho pastoral na Amazônia se dá nos centros urbanos de Manaus, Porto Velho e Boa Vista, através da pastoral paroquial, da formação bíblica, de líderes e seminaristas, no acompanhamento de algumas populações ribeirinhas ao longo do rio Madeira e das comunidades indígenas macuxi e wapixana em Roraima. Também destacamos o empenho comboniano no enfrentamento das violações provocadas pelos empreendimentos minero-siderúrgicos na Amazônia oriental, através da atuação da rede Justiça nos Trilhos ao longo do Corredor de Carajás (comunidades de Piquiá e São Luís – MA).

Trabalhamos em rede com outros organismos eclesiais e movimentos sociais. Destacamos, em particular, a atuação comboniana junto à Vivat International, à Rede Eclesial Panamazônica (REPAM), à Rede Brasileira de Justiça Ambiental e à rede latino-americana Iglesias y Minería.

[1] Vivat International é uma ONG de congregações religiosas, fundada por verbitas e espiritanos, com status consultivo no Conselho Econômico e Social das Nações Unidas. Os missionários/as combonianos/as são associados a essa ONG e têm colaborado em alguns casos de denúncia de violação de direitos humanos, especialmente na Comissão Interamericana dos Direitos Humanos em Washington ou no Alto Comissionado dos Direitos Humanos em Genebra.

[2] A Rede Eclesial Panamazônica –REPAM- é uma plataforma de intercâmbio e confluência dos esforços das igrejas locais dos 9 países da bacia amazônica, das congregações religiosas, instituições eclesiais e laicais, que se propõe “potencializar de maneira articulada a ação da Igreja em território Panamazônico, atualizando e concretizando opções apostólicas conjuntas, integrais e multiescalares, para o acompanhamento e promoção das comunidades locais”. Os combonianos do Brasil fazem parte dessa rede desde sua fundação (2014) e compõem seu comitê executivo ampliado.

[3]Rede Brasileira de Justiça Ambiental (RBJA) é resultado da iniciativa de diversos movimentos sociais, sindicatos de trabalhadores, organizações não-governamentais (ONGs), entidades ambientalistas, pesquisadores acadêmicos e organizações deafrodescendentes e indígenas. Fundada em 2001, atua nas lutaspor justiçaambiental e na defesa dos grupos mais afetados com os impactos da degradação ambientale que têm menor poder para definir como devem ser utilizados o meio ambiente e os recursos naturais de seus territórios injustiçados. Os combonianos do Brasil são membros da RBJA desde 2008 e compuseram seu Colegiado Político de 2010 a 2015.

[4] Iglesias y Minería é uma rede ecumênica latino-americana de apoio às comunidades impactadas por mineração. Criada em 2013 com a contribuição dos Missionários Combonianos do Brasil, é composta por representantes de grupos pastorais e instituições religiosas de inspiração cristã e trabalha na formação popular, na denúncia das violações provocadas pela mineração e na incidência junto às hierarquias das igrejas.