Edit

Ajude-nos a Evangelizar

A missão é de todos e todas. Ela somente pode continuar por causa da ajuda de pessoas como você, que acreditam e contribuem com esta obra!

Aceite você também o convite do papa Francisco e seja parte desta igreja em saída… Seja você também uma missionária, ou um missionário, difundindo nossos artigos (já a seguir ) entre seus amigos, familiares e vizinhos em sua comunidade. Note que não estamos vendendo, apenas pedimos contribuições dando assim a você e a outras pessoas a possibilidade de participar na obra da evangelização no Brasil e além fronteiras.

Contate-nos através de nosso email, Whatsapp ou telefone (rodapé da página)

Desde já agradecemos sua ajuda. Como sinal de gratidão, lhe enviaremos regularmente o boletim Sem Fronteiras, por email ou em sua casa, se preferir!

Adquira nossos Produtos

Seja um(a) Amig(a)

Reze Conosco

Doações via PIX

Faça sua doação através de transferência para uma de nossas contas:

Após fazer sua doação, por favor, nos envie o ‘comprovante’. Obrigado!

Edit

Ajude-nos a Evangelizar

A missão é de todos e todas. Ela somente pode continuar por causa da ajuda de pessoas como você, que acreditam e contribuem com esta obra!

Aceite você também o convite do papa Francisco e seja parte desta igreja em saída… Seja você também uma missionária, ou um missionário, difundindo nossos artigos (já a seguir ) entre seus amigos, familiares e vizinhos em sua comunidade. Note que não estamos vendendo, apenas pedimos contribuições dando assim a você e a outras pessoas a possibilidade de participar na obra da evangelização no Brasil e além fronteiras.

Contate-nos através de nosso email, Whatsapp ou telefone (rodapé da página)

Desde já agradecemos sua ajuda. Como sinal de gratidão, lhe enviaremos regularmente o boletim Sem Fronteiras, por email ou em sua casa, se preferir!

Adquira nossos Produtos

Seja um(a) Amig(a)

Reze Conosco

Doações via PIX

Faça sua doação através de transferência para uma de nossas contas:

Após fazer sua doação, por favor, nos envie o ‘comprovante’. Obrigado!

Prioridade evangelização e afrodescententes

Herdeiros do carisma missionário de S. Daniel Comboni, que dedicou a sua vida para que os povos da África tivessem vida em abundância, os Missionários Combonianos no Brasil têm como uma das prioridades de evangelização os povos afrodescendentes, comprometendo-se com a causa afro, sobretudo, através da comunidade comboniana de Salvador, onde funciona o CENPAHMuito axé!

O CENPAH (Centro de Pastoral Afro Heitor Frisotti) é um espaço de agregação de diversas iniciativas, no âmbito cultural, inter-religioso, de luta contra o racismo, para a igualdade e a promoção dos direitos humanos, valorizando a iniciativa dos leigos/as, acompanhando e assessorando os diversos processos propostos nessas dimensões.

A seguir, apresentamos duas matérias: a) Entrevista com o P. Jurandyr, coordenador nacional da Pastoral Afro e b) História do trabalho realizado pelos Missionários Combonianos em Salvador neste âmbito.

A) Entrevista com o P. Jurandyr Azevedo Araújo

O Bernardino Mossi (BM), comboniano jovem, entrevistou recentemente o P. Jurandyr. Temos gosto em apresentar aqui na íntegra o texto, para conhecer o caminho feito e também apontar perspetivas e desafios para as comunidades e a igreja, hoje e no futuro. Nossa profunda gratidão ao P. Jurandyr pelo seu tempo e disponibilidade!

BM: Como nasceu a Pastoral afro-brasileira?

P. Jurandyr: A Pastoral afro-brasileira nasceu de um grito, em 1978, numa missa em São Paulo. Padre Toninho (Antonio Ramos do Prado) ao final da missa gritou: “Vamos iniciar a pastoral?” Pouco depois foram convocados quatro padres pela CNBB para poder dar sugestões para a conferência de Puebla. E aí esse grupo continuou se reunindo. Em 1982 iniciou a secretaria da pastoral afro na sede em Brasília. Essa Pastoral começou a se organizar. A secretaria, da CRB Nacional doou os móveis e a irmã Raimunda da Congregação Jesus Crucificado ficou como secretária.

Ela constituiu um grupo, incluindo irmãs e padres, para começar a pensar nisso. P. Enes de Jesus foi convidado, em 1986, para o ser primeiro Coordenador da Pastoral Afro-brasileira. Como ele estava em São Paulo, não pôde vir para assumir e assim, no ano seguinte, fui convidado e comecei a organizar a Secretaria da Pastoral Afro-brasileira. Começamos de zero. Justamente em 1987 já se iniciava o processo para a celebração de 100 anos da abolição. E então foi proposto este tema para a campanha da fraternidade em 1988.  Essa Campanha da Fraternidade foi organizada pela Pastoral. Fizemos um texto base e passamos em muitas dioceses conversando sobre isso. O ano de 1988 foi um marco para a Pastoral Afro-brasileira. A partir de 1988 começou essa organização. Então desde 1988 fiquei lá durante 8 anos. Depois assumiu a pastoral o P. Ari dos Reis que ficou 4 anos. Em seguida fui convidado a voltar.  Portanto eu fiquei praticamente 14-15 anos na Pastoral organizando-a e, sobretudo, articulando em nível nacional. Mais informações…

BM: Que trabalho foi feito durante esses anos e o que se faz nessa pastoral hoje?

P. Jurandyr: A Pastoral é para dar uma consciência sobre a diversidade cultural, sobre a presença do negro desde o início da nossa pátria e as consequências da escravidão (que durou 400 anos) e também dentro da Igreja e as questões da religiosidade popular do povo negro. O que a Pastoral faz é no sentido de articular os grupos. Podemos dizer que no Brasil existe a Pastoral em todas as dioceses, sendo que muitos grupos não estão ligados à Igreja pela dificuldade de bispos, sacerdotes ou religiosos aceitarem essa Pastoral, mas ela existe e as vezes os grupos são bem organizados. Os demais são organizados e orientados pela própria pastoral.

Cada um tem seu trabalho específico com a comunidade negra e hoje estamos desenvolvendo já um trabalho com os Quilombos. Foi feito um subsídio de estudo número 45, sobre a Igreja e os Quilombos. Estamos trabalhando nisso. Estamos organizando o IX Encontro da Pastoral Afro-brasileira (IX Conenc). Temos parceria com outros grupos, por exemplo, os Agentes de Pastoral Negro (APNs), o Instituto Mariama, que congrega Bispos, Padres e Diáconos negros.

Podemos dizer que há sempre ume relação com esses grupos não só da Igreja, como também, da sociedade civil. A Pastoral Afro-brasileira tem procurado fazer subsídios de formação e a cada Congresso Nacional, que se realiza a cada três anos, nós fazemos um subsídio com temas próprios para a ocasião. Uma diocese se encarrega para organizar cada congresso. Durante dois anos preparamos todo o material e toda a organização. Outro aspecto onde atuamos são as Romarias. Estamos na 21ª Romaria. A Romaria acontece todos os anos em Aparecida no primeiro sábado do mês de novembro para que tenhamos a consciência que todo mês de novembro, é o mês da consciência negra.

Nesse ano é a diocese de Mogi das Cruzes que está preparando a Romaria e o tema é “Escravos ontem, escravos hoje também na Igreja”. O trabalho pode ser lento, mas é um trabalho de base. Sobretudo a partir de 2015, no segundo Congresso Nacional, estamos preparando lideranças, e essas lideranças estão atuando em cada Estado, em cada Comunidade e Diocese. Esse é o grande trabalho hoje de lideranças. Também o próximo Congresso vai ser em janeiro 2018, na Arquidiocese de Maringá (PR). Estamos preparando para que outras lideranças participem. É um trabalho que vai continuando no sentido de uma perspectiva de abertura.

BM: Quanto tempo e senhor ficou na pastoral e como o senhor se sente hoje?

P. Jurandyr: Comecei após minha ordenação sacerdotal, em 1973, no Rio de Janeiro a participar do MNU para tomar consciência da minha negritude, porque na minha formação dentro da Congregação eu era branco ou pardo; não era negro. Fui tomando consciência, sobretudo depois que trabalhei 8 anos em Angola. Ali tomei mais consciência. Ao voltar em 1983, comecei a participar do grupo “União Consciência Negra” que era da Igreja. E aí comecei em 1987 esse trabalho. São mais de 14-15 anos nesse trabalho. E nós estávamos, até 2015, na Sede da CNBB.

Tínhamos a secretaria lá e era muito importante como aspecto pedagógico para que a gente pudesse também ajudar todas as pastorais das igrejas a repensar as suas práticas com a relação ao povo afro brasileiro. Mas em 2015, nós fomos convidados a sair da Sede como também as outras pastorais. Viemos para Belo Horizonte onde estamos com a Sede trabalhando e articulando ainda esse trabalho pastoral. E na última assembleia no mês passado, em Aparecida, na reunião dos bispos da Pastoral Afro, eles decidiram sair daqui de Belo Horizonte e ir para São Paulo. Aqui tinha um sacerdote sendo preparado para isso: P. Fernando José da Silva. O bispo auxiliar Dom Eduardo vai assumir essa Pastoral e o Pe. José Henri é que vai interinamente assumir a Pastoral. Porque estou realmente deixando essa pastoral pelo tempo e acho importante a mudança. Portanto eu e o P. Fernando daremos continuidade a essa pastoral até o fim do ano em algumas tarefas que iniciamos.

BM: O senhor pode nos falar dos desafios e perspectivas para o futuro?

P. Jurandyr: Os desafios vêm da sociedade por isso temos que conscientizá-la das riquezas e dos valores das culturas afro-brasileiras. Porque ainda no Brasil existe racismo. Então é preciso trabalhar. Ora a Igreja está dentro da sociedade e assim precisamos também trabalhar na Igreja porque há muitos leigos e leigas, sacerdotes, bispos e religiosos que ainda não aceitam a Pastoral Afro-brasileira por causa da questão do branqueamento que existe até hoje. Isso porque o padrão da sociedade e da Igreja é o padrão do branco e o negro sempre é tido como inferior, o negro não sabe, o negro não é capaz, o negro não trabalha direito. Todos esses preconceitos existem. Portanto a grande questão é a discriminação e isso é o grande desafio. Segundo desafio é o diálogo inter-religioso.

pastoral afro brasileira, escravo livre danca rito. Liberdade  Yemanjá, umbanda, defesa dos direitos, cultura e religioes de matriz africana

Nós temos então as religiões de matrizes africanas: o Candomblé que nasceu na África, veio para o Brasil e foi readaptado aqui; o Umbanda que nasceu no Brasil, em Niterói, é uma junção do espiritismo com as religiões de matrizes africanas e indígenas; a Quimbanda, um grupo menor que é uma junção da Umbanda e do Candomblé. Portanto as pessoas têm muitos preconceitos, sobretudo muitos grupos da Igreja, movimentos que acham que não é uma religião, mas coisas do demônio. Não é verdade; é uma religião como outras. Por exemplo Candomblé tem suas tradições, seus livros, cultos, sacerdotes e sacerdotisas…. Então é uma organização inclusive tem um instituto de teologia do Candomblé. Portanto estamos nesse trabalho que podemos chamar de inicial. Além disso há o aspecto da dupla pertença. Porque até hoje essas religiões de matrizes africanas não são aceitas e são perseguidas; hoje ainda algumas igrejas perseguem essas religiões. Temos que trabalhar bastante nesse sentido.

A Pastoral Afro-brasileira está dando bastante consciência nos encontros como também nos vários textos que publicamos. Sobre isso nós temos, a pedido do Vaticano, dois grupos de reflexão, Cristianismo, Candomblé e Umbanda.  São pessoas que estão refletindo há mais de 4 anos em São Paulo, Belo Horizonte. Inicialmente começamos na Bahia. Temos a intenção de escrever a nossa experiência para que a gente possa ajudar no entendimento da comunidade católica sobre os valores dessas religiões. O próprio Papa já disse que todas as religiões são boas, salvam. Portanto é preciso que a gente compreenda que: quanto mais valorizo a minha religião, mais compreendo a do outro.

B) Presença missionária comboniana em Salvador

A presença comboniana em Salvador, BA, começou em março de 1980 com os Padres Franco Vialetto e João Munari assumindo duas paróquias em dois bairros periféricos densamente povoados com cerca de 70 mil habitantes na maioria afrodescendentes, provenientes do êxodo rural causado pelas situações de precariedade e pobreza dos interiores da Bahia.

Em Outubro de 1981, no centenário da morte do fundador Daniel Comboni, foi assinado o primeiro convênio com a Arquidiocese de São Salvador da Bahia, no qual o Instituto dos Combonianos destinaria uma equipe de 3 sacerdotes, que juntamente aos compromissos pastorais nas 2 paróquias, assumiriam também o “dedicar parte do seu tempo ao estudo das temáticas da vida dos afro-brasileiros” para servir melhor o povo na maioria negros e também ajudar os demais Combonianos presentes no Brasil na reflexão de uma pastoral evangelizadora inculturada! A equipe de missionários soube integrar o estudo das temáticas em relação à vida dos afro brasileiros através da prática pastoral, na reflexão biblica, nas liturgias inculturadas e sobretudo no diálogo inter religioso com as religiões de matriz africana! Nesta linha, se destacou a atividade missionária de Padre Heitor Frisotti, que visitava os terreiros, onde era estimado e conhecido em toda a cidade de Salvador.

Com o crescimento demográfico nestes bairros, foi vista a necessidade de entregar uma parte da paróquia de Pau da Lima. Em 1998, foi constituída a Paróquia dedicada a S. Daniel Comboni abrangendo os bairros da grande Sussuarana com a necessidade de estruturar melhor a vida pastoral das 11 comunidades. A comunidade Comboniana, além do cuidado pastoral, catequese, preparação sacramental, liturgia, movimentos sociais, deveria colaborar com a Arquidiocese no surgimento e acompanhamento das Cebs, favorecendo a formação de líderes cristãos no meio popular tanto a nível religioso quanto social e engajando em pastorais especificas (juventude, menores, afro …)!

Viver em compromisso de solidariedade com a população afro, que em Salvador constitui cerca de 75% e que nos bairros de periferia pode chegar de 85% a 90%, enfrentando os problemas provindos da marginalização dos negros pela sociedade elitista, aprofundando os estudos bíblicos, teológicos e pastorais numa aproximação à vida, à cultura e religiões de matriz africana para um autêntico diálogo inter religioso e uma inculturação do Evangelho.

Depois do falecimento do padre Heitor, foi amadurecendo a necessidade de se ter um Centro de Pastoral Afro. Os Padres Ferdinando e Fidele, dedicados mais especificamente aos trabalhos e estudos da pastoral Afro, fundaram a casa do Cenpah (Centro de Pastoral Afro Heitor Frisotti) e ajudaram a nascer a Pastoral Afro na Arquidiocese de Salvador. Com a realização do VIII EPA (Encontro de Pastoral Afro a nível do Continente Americano) a linha de trabalho foi a formação dos APNs nas Dioceses e paróquias, a organização do CAAPA (Centro de Pastoral Afro da Arquidiocese).

O Cenpah, com a riqueza de livros deixados por Heitor, formou uma Biblioteca que leva o seu nome. No mesmo Cenpah foi criado o Salão Santa Bakita e a aposta foi na questão educacional, oferecendo aos jovens negros da periferia a possibilidade de se prepararem para o vestibular e assim poderem ingressar no ensino superior. Nesta linha social não foi esquecida a oferta de cursinhos e oficinas de cultura afro para lideranças das comunidades e a capacitação étnica para professores das escolas. O desenvolvimento do Cenpah foi ainda na linha cultural e na aposta literária, dando vez e voz aos Jovens. Por meio da poesia são abordadas as problemáticas da vida, da história, da cultura, da religião e da sociedade que tanto descriminaram o povo negro. Sempre se teve em vista a superação.

Tem-se apostado na questão histórica e racial por meio de cursos de Direitos Humanos e Racismo. Também tem-se desenvolvido um trabalho de defesa e promoção da vida e dos Direitos Humanos pela criação da Instituição Cedhu (Centro de Direitos Humanos Pe. Franco Pelegrini), que funciona no Cenpah.